Não há lugar para o dourado no Arco-Íris

06/04/2010

Você seria amigo de um neonazista?

*** *** *** *** ***

Não fiquei surpreso com o resultado do BBB 10. Nada tira da minha cabeça, que o programa foi pensado para sustentar um modelo de sociedade preconceituosa. Marcelo Dourado e sua falácia da “heterofobia” foi o personagem que a Globo precisava para levantar a tal bandeira do “orgulho hétero”. Eu poderia ficar explicando por linhas e linhas por que orgulho hétero é reafirmar o preconceito, mas vou fazer uma analogia simples: já viu por aí alguém andando com uma camisa escrita “Sou Branco e me orgulho disso”?

*** *** *** *** ***

A heterofobia é uma falácia sim. O que os héteros chamam de heterofobia, nada mais é que a reação das pessoas de bom senso à sua homofobia. Quando Dourado dizia que era vítima de heterofobia, ele estava mencionando o choque que algumas pessoas da casa sentiam ao ouvir ele falar coisas do tipo “homens heterossexuais não contraem HIV” ou sentir nojo de histórias de noitadas do Serginho. É a crítica que ele recebeu que ele chamou de heterofobia, numa absurda inversão que a Rede Globo bancou. Dourado é homofóbico sim, e venceu o BBB por isso.

*** *** *** *** ***

Semana passada eu fiquei estarrecido com a posição de um grande amigo que disse que não tinha a obrigação de ver em lugares públicos casais homossexuais em manifestações de carinho. Porra, qual exatamente é a diferença entre um casal homossexual e um casal heterossexual? Não venham me dizer que ser homossexual é anormal, porque não existe orientação sexual padrão.

*** *** *** *** ***

Toda vez que eu ouço um homofóbico proferindo asneiras sobre a “anormalidade do homossexualismo” eu escuto duas frases distintas: “pode sentar a porrada nesse negrinho, porque essa crioulada anormal não tem alma”, dita  há duzentos anos ou “joga esse judeu na câmara, porque ser judeu é anormal”, dita há setenta anos. Acharam forte a comparação? Pois saibam, senhores preconceituosos, que os senhores são tão assassinos (ou cúmplices) quanto os personagens das frases acima. A diferença mesmo são os números de mortos e a metodologia empregada.

*** *** *** *** ***

Fica decidido a partir de hoje, que eu vou ser muito seletivo nas minhas amizades. O amigo do caso acima é um cara esperto e vai entender quando eu explicar para ele, pessoalmente, onde exatamente está o preconceito na percepção dele e, acredito eu, vai refletir bastante depois do papo. Mas outros, com quem já conversei e que sustentam posições homofóbicas agressivas estarão sendo descartados.